Archive for the ‘Racho da Pamonha’ Category

>A CULPA É MINHA

>

Sempre… Sempre levei culpa de coisas que não tinha nem a menor ideia do que se tratavam, muitas vezes também até tinha ideia, mas não era o culpado, ou pelo menos o único culpado. Parece um pouco coisa de perseguição, mas o fato que hoje até tenho dúvida de coisas que não fiz, se fiz mesmo. Aprontei muito mesmo, dei trabalho para meus pais quando era pequeno, assumo, sempre assumi, pelo menos as minhas “cagadinhas” eu assumi, mas tem coisas que realmente com o passar desses anos tenho dúvidas se foi eu… (risos), Mas uma das histórias eu sempre lembro como o cúmulo da culpa.
Certa vez um pouco antes de sair da praia para voltar para São Paulo, eu disse que queria um sorvete, pois tinha uma sorveteria bem ao lado de onde a gente estava, e minha mãe deu a ideia de pararmos no Rancho da Pamonha, é um lugar que fica na estrada bem próximo a São Paulo, que vende vários produtos principalmente a base de milho, poxa achei legal para caramba… lá fomos na estrada. Era final de um feriadão e entramos em um baita congestionamento, normal para estes dias. Meu pai espertão começou a cortar pelo acostamento o trânsito, e lá vai o português ultrapassando todo o mundo… Do outro lado da pista no sentido contrário vem uma viatura da polícia, e viu o ato infracionário do meu pai, e na hora viraram o carro em sentido que estávamos e vieram atrás, meu pai tentando um golpe de misericórdia voltou para a fila de carros como se nada tivesse acontecido, mas eles já tinham visto, pararam a viatura do nosso lado e mandaram estacionar nosso carro. Minha mãe “cochicha” para meu pai:
-Diz que paramos para o Luís fazer xixi e estavamos voltando tentando achar espaço… (Nossa que ideia genial)
O guarda para do lado do nosso carro, e meu pai foi logo se desculpando:
-Olha senhoire, sei o que deves estar pensando, mas meu filho estava apertado, e dei uma paradinha e estava voltando para fila de carros… sabes como é seu guarda, coisas de criança?!
O guarda ficou olhando sério para a cara do meu pai e disse:
-O senhor é macaco e todo o mundo é banana?!!  – meu pai ficou olhando para a cara do guarda, mas tenho certeza que ele não entendeu nada. (risos).
Bom, não teve jeito, meu pai tomou uma bela de uma bronca e uma multinha, e fora a canseira. Saímos de lá, e vem minha mãe olhando para mim:
-Viu só!!!??? você nem para falar para o guarda que realmente estava apertado! por causa de você seu pai tomou uma multa…
Que??? como assim???? eu? – eu pensava. Bom até pensei mesmo que estava com vontade de mijar e pedi para parar. Só assim poderia entender tamanha acusação.
 Mas o melhor dessa viagem ainda estava por vir. Lembra que falei da tal história do sorvete lá em cima no texto? bom continuamos na viagem… depois de horas, de viagem, e quem já subiu a serra de Santos depois de um feriadão, sabe do que estou falando com relação ao trânsito, chegamos perto do Rancho da Pamonha, já estava noite e meu pai sempre enxergou muito mal nesse horário, quando chegamos próximo a entrada, minha mãe grita para meu pai:
-Antônio a entrada é aqui!!!! – meu pai virou com tudo.
Eu sem entender direito o que estava acontecendo, senti o carro caindo, pois meu pai conseguiu cair com o carro em uma vala, entre a rodovia e a entrada do Rancho da Pamonha, um buraco enorme, e o carro entalou lá, descemos todos do carro e meu pai tentou tirar o carro engatando ré, mas sem chance, a cagada estava feita mesmo. Apareceu um monte de voluntários e com muito custo empurrando,  conseguiram tirar o carro do meu pai, agradecemos todo o mundo, e eu confesso que ainda estava com vontade do tal sorvete mas nem pensei em falar nada aquela hora, porque eu sabia a tensão que estava o momento.
Entramos no carro todos quietos, mas eu já estava com impressão que ia sobrar para mim, porque eu já estava acostumado com essas coisas, e não deu outra… vira minha mãe e diz:
-Você Sr. Luís, podia ter matado todo o mundoooooo!!! com essa história de querer sorvete e  blá blá blá… – as coisas começavam a ecoar na minha cabeça e nem tentei argumentar nada, porque se eu abrisse a boca para falar sobre o cegueta do meu pai, eu ia tomar uma “borduada” na orelha.
Depois por várias vezes que passava ali, via o tal buraco que meu pai entrou, e lembrava do acontecido e sempre das acusações sobre minha pessoa… e pensava que podiam mudar o nome do Rancho DA Pamonha, para Racho DO Pamonha (do meu pai), por não ver o buraco e ainda me culparem, mas isso eu só podia pensar mesmo, porque se eu falasse… meu Deus!
Depois de anos fecharam essa tal vala, mas sempre que passo ali é impossível não lembrar da minha culpa.
Mas essas coisas não são privilégio de fatos que aconteceram em casa, sempre levei culpa de coisas, na escola, na rua, nunca entendi direito esse carma. Por isso já nem sei mais se certas coisas eu realmente não fiz, vai saber né?.

Ainda bem que meu pai não tinha uma Havaiana de pau*** (segue link)

Anúncios